Seja Bem-Vindo. Hoje é

domingo, 6 de setembro de 2015

O QUE É O CASAMENTO?

Pensando, meditando e refletindo às vezes chegamos a conclusões bem diferentes das convenções solidamente estabelecidas socialmente e profundamente arraigadas na mente coletiva.
Quando chegamos ao ponto culminante da descoberta somos tomados por um assombro seguido por uma resistência natural provocada por medo da conclusão simplesmente ser diferente da convenção social a tanto tempo praticada e tida como verdade intocável.
Vejam só as conclusões a que cheguei analisando criticamente como a instituição do matrimônio é tratada hoje:
1) Diferente do que pensava o casamento instituído pelo Criador não foi direcionado para um povo específico, especialmente para os “seus filhos” cristãos. Essa instituição de vital importância foi criada para todos os seres humanos, estejam eles ou não dentro das instituições religiosas, ou em qualquer lugar do mundo. A simples existência humana é requisito para se qualificar à união matrimonial.
Nas Escrituras não encontramos notícias de que o casamento foi criado para um grupo restrito de pessoas. Elas dizem, ao contrário, que ele foi instituído para união de homem e mulher.
2) A cerimônia religiosa do casamento, que mais é formalidade social, é invenção da igreja institucional.
Igualmente, na Bíblia não há registro de que para se tornar válido o matrimônio precise da chancela de uma instituição ou de uma pessoa designada para tal fim.
3) O casamento no cartório também é criação humana. A Escritura não menciona que o governo tem incumbência de unir duas pessoas em casamento.
Antigamente não existia esse controle por parte dos governos. Hoje o estado moderno assim o faz por uma série de circunstâncias que, diga-se de passagem, mostra-se benéfico para gerir a relação dos direitos e obrigações que envolve o ato.

Esses fatos levam a outras conclusões:

O tratamento atual que as instituições religiosas de uma forma geral dão ao matrimônio não tem fundamento plausível. Para elas basta a celebração ou a formalidade do cartório, mesmo que o casal se una por objetivos completamente diferentes dos que Deus intentou. Assim, na prática, uma união de homem e mulher pode apenas manter uma aparência de casamento sem, contudo, de fato ser um casamento original.
Por outro lado, uniões entre homem e mulher não reconhecidas por uma religião podem de fato perante Deus ser um matrimônio autêntico. Pode e em muitos casos é exatamente o que ocorre, visto que essa união matrimonial não é e nunca foi constituída por fatores externos, mas sim pelo amor que vincula dois corações no firme propósito de viverem juntos.
Um exemplo prático e simples: Se um homem e uma mulher que vivem juntos mas que não passaram pelo rito formal do casamento procurar a maioria das igrejas cristãs receberão orientação no sentido de “casarem-se no papel”. Caso assim não o façam são privados dos “benefícios” oferecidos pela instituição religiosa, como santa ceia, batismo etc, além de serem rotulados de adúlteros e até mesmo considerados “pagãos e perdidos”.
Por outro lado, se apresentarem uma certidão de casamento, cuja celebração foi realizada por um ministro religioso ou por um oficial do cartório, mesmo que o que os una não seja o vínculo do amor, isto é, o verdadeiro casamento de Deus, são imediatamente admitidos e considerados como “seguidores fiéis e obedientes do Senhor”.
Assim funciona na prática, bastando manter aparência de verdade. Mas Deus não vê o exterior, como nós e as nossas instituições humanas veem (1 Samuel 16.7); Deus vê o coração, e não é dono de cartório.
O casamento não é banalizado somente com a promiscuidade dos relacionamentos entre pessoas, de sexo diferente ou não, mas também e principalmente com o acréscimo de coisas que Deus não instituiu, transformando a união matrimonial numa simples certidão cartorária ou num mero ato de celebração religiosa regado de formalidades sociais.
Por tudo isso chegamos a conclusão de que Deus instituiu a união de homem e mulher, mas não as formas como essa união se dá. Mesmo sendo assim, como o coração do homem é enganoso e tendente a governar sobre seus semelhantes, o casamento foi transformado em concessão particular, seja do governo ou da religião, e que, para usufruir de seus “benefícios”, têm-se que pagar um “preço”. A graça de Deus que é derramada sobre bons e maus, como Jesus ensina (Mateus 5.45), na prática para nós não é derramada sobre bons e maus mas somente sobre os “nossos e bons”.
Conforme a experiência mostra e a Bíblia ensina, a única formalidade estabelecida pelo Criador é a do vínculo do amor, pois sem amor nada aproveitará (1 Coríntios 13.3).

Em Jesus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação.